Minha missão como instrutora

   Acredito que para ensinar thetahealing é preciso ir além das qualidades exigidas a um professor. Ser um instrutor dessa técnica ultrapassa a condição de gostar e ter habilidade para ensinar, são necessárias diferentes construções internas para uma melhor transmissão do conhecimento, é preciso SER.

 

   Ética, paciência, persistência, respeito, fé na virtude das pessoas, dedicação diária ao conhecimento, compromisso com o ensinar, são algumas das características que fazem a diferença entre alguém que transmite um conhecimento e um professor.

   Desde cedo, eu senti o chamado de ajudar o outro a aprender.

Sinto que minha alma segue um longo caminho com o professorado, nas diversas áreas que tive a oportunidade de conhecer, de pesquisar, e dominar, logo quis compartilhar esses saberes. Foi assim com a dança, com a Psicologia, com a Terapia Familiar, com a alimentação vegetariana e agora com o Thetahealing.

 

   Uma vez, numa festa de aniversário de uma amiga, tive a grata oportunidade de experimentar comidas deliciosas, doces e salgadas, feitas pela cozinheira. Curiosa, fui perguntar a ela, onde havia aprendido a fazer todas essas comidas incríveis. Sua resposta foi: Eu aprendi com a minha genética, toda a minha família cozinha.

 

   Essa resposta me causou boas vibrações, me identifiquei imediatamente sem saber o motivo.

A razão certamente estava na minha origem. Venho de uma família de professores, e essa energia acompanha meu DNA, só agora tenho clareza disso.

 

 

   Meu propósito como instrutora de Thetahealing é despertar nas pessoas seus potenciais e empondera-las de suas habilidades de cura. Minha missão é ir além dos conteúdos do curso, faz parte da minha prática oferecer também um apoio para decifrar emoções conflitantes,auxiliar nos estudos pós curso, ajudar na busca por autonomia e autoconhecimento.

 

   E na minha atividade diária com o thetahealing cabe aquela máxima do pensador e filósofo chinês Confúcio:

  “ Encontre um trabalho que ama e você nunca trabalhará um dia sequer em sua vida”.